Somos amantes da teledramaturgia. Respeitamos a arte e a criação acima de tudo. Nosso profundo respeito a todos os profissionais que criam e fazem da televisão essa ferramenta grandiosa, poderosa, que desperta os mais variados sentimentos. Nossa crítica é nossa colaboração, nossa arma, nosso grito de liberdade.



ENTREVISTAS EXCLUSIVAS

Free DHTML scripts provided by Dynamic Drive

sábado, 16 de abril de 2011

. .









O último capítulo de Elas por Elas: vídeo e comentários


por Daniel Pepe


Reveja abaixo, na íntegra, o último capítulo de “Elas por Elas”, apresentado originalmente pela Rede Globo em 26 de novembro de 1982. Assim como “Jogo da Vida” e tantas outras, a novela não foi exportada, não existindo, dessa forma, gravações recentes. Por isso, o vídeo apresenta algumas imperfeições.

O capítulo de número 173 começa com Vanessa (Suzana Vieira), ex-secretária de Átila (Mauro Mendonça), surpreendendo o detetive Mário (Luiz Gustavo) com a revelação de que a amante de seu ex-patrão, de alcunha “Patinha”, era Wanda, irmã de Mário. O detetive fora contratado por Márcia (Eva Wilma), a viúva de Átila, para elucidar o caso. Na cena já fica explícito o jeito trapalhão do personagem, sem com isso deixar de ter um semblante sempre sério. No decorrer do capítulo, existe a expectativa do encontro entre Wanda e Mário e, depois, como Márcia ficará sabendo da verdade e sua consequente reação.

Bom rever as atuações de alguns que já se foram, como Sandra Bréa, Mário Lago, Ana Ariel e Felipe Carone, com todos demonstrando ao menos um pouco do talento que tinham, sobretudo Sandra, pivô de um dos desfechos da história. Aliás, foram três os desfechos centrais, já descritos e analisados por nosso colunista Guilherme Staush, para o blog Zappiando, de Paulinho Diniz. Leia aqui a sua crítica.

Como bem observou Guilherme, a solução para desvendar o mistério de quem era a “Patinha” foi simples e rasa, assim como a trama da troca dos bebês. Eu ainda acrescentaria como ponto fraco o fato de os outros personagens não saberem o motivo da mudança repentina de comportamento de Helena (Aracy Balabanian), que passara a novela toda perseguindo Míriam (Tássia Camargo), pois era contra o namoro dela com seu filho, Gil (Lauro Corona). Entretanto, ao saber que Míriam e Gil foram trocados na maternidade, e que a moça na realidade é sua filha, Helena passa a tratá-la como tal, inclusive dando a ela e a Gil uma viagem de presente. A dúvida de sua mudança ficaria por um tempo na cabeça de todos, já que o segredo se manteria somente entre ela e seu pai, Miguel (Mário Lago). Mesmo Jaime (Carlos Zara), seu marido, e Adriana (Estér Góes), a mãe verdadeira de Gil, ficam sem saber da verdade, assim como os dois jovens. Esse fato impede o questionamento por parte deles sobre a mudança condicional de Helena. A terceira trama central - a morte do irmão de Natália (Joana Fomm) - já se encontrava resolvida neste capítulo.

Este final de novela não foi daqueles onde se exacerba a felicidade de muitos casais, e outros são feitos de forma fácil. Tanto que três personagens importantes, Mário, Márcia e Wanda terminam sem um par. E nem por isso são mostrados dignos de piedade. Não deixa de ser um fator positivo que falta na maioria das novelas.

Vale ressaltar aqui o ritmo e a duração das cenas. Como de costume na maior parte das tramas da época, elas eram mais lentas e mais compridas, quase sempre dando tempo da emoção pegar o telespectador.

A última cena imprime à novela um digno final feliz, onde as sete amigas do colégio reúnem-se e confraternizam, fazendo um brinde ao pacto de amizade. Com closes em cada uma, a cena termina ao som da linda “Forever”, do Alessi. Interessante que o close final, nas sete, mostra Natália mais afastada observando as outras, podendo sugerir a ideia de que seria a primeira a romper o pacto, já que desconfiou e perseguiu algumas delas no decorrer da história.


>

3 comentários:

Marcelo disse...

Adorei a divisão em "tramas centrais", Daniel. Muito bem sacado, você leu isso em algum lugar? Senão, tá ficando bom, hein, menino.

Também não me dava mais conta de que os pais biológicos de Gil não ficaram sabendo da verdade. Os filhos, fazia sentido deixar como está, mas a a Adriana? O Jaime ficou com Helena, então. Pôxa, de 1982 pra cá são tantos anos, faço esforço pra destrinchar a narrativa da história. Gostei da sacada. Pra quem não viu a novela, você parece ter mesmo dominado a narrativa da novela, enxergando tonalidades que são difíceis de perceber.

A observação que achei mais interessante foi a que fala sobre os solteiros do final da novela. "Casaizinhos que se formam de forma rápida" foi ótima, eu vou usar essa sempre!

Muito obrigado pelo ultimo capitulo e assim, eu por tê-lo na "Memória da TV".

edu vieira disse...

a cena da Balabanian no carro com a Tássia, sabendo que ela é sua filha, é muito boa...a Miriam era mesmo uma peste e a cara de incrédula que ela faz é excelente. Também não gostei na época da Adriana não saber que o adorável Gil era seu filho, mas aí teria que prender o velho, né?
não lembrava que a Márcia terminava sozinha, achava que ficava com o Mário.Muito bom mesmo essa sua menção às pessoas poderem ficar bem sozinhas num final de novela. Nesse quesito, regredimos!!!

Kátia disse...

Parabéns Daniel

Você expõe com muita clareza suas idéias e comentários.

bj

Kátia