Somos amantes da teledramaturgia. Respeitamos a arte e a criação acima de tudo. Nosso profundo respeito a todos os profissionais que criam e fazem da televisão essa ferramenta grandiosa, poderosa, que desperta os mais variados sentimentos. Nossa crítica é nossa colaboração, nossa arma, nosso grito de liberdade.



ENTREVISTAS EXCLUSIVAS

Free DHTML scripts provided by Dynamic Drive

sábado, 28 de janeiro de 2012


M A R C O   R I C C A







Marco Antonio Ricca estreou na TV em 1993, no grande sucesso Renascer, de Benedito Ruy Barbosa. A boa atuação, decorrente de sua experiência no teatro, lhe rendeu bons frutos. Outros sucessos vieram na TV:  Éramos Seis, Por Amor, Força de um Desejo, Paraíso Tropical e O Astro. Aventurou-se pelo cinema em produções de diversos gêneros, seja no controvertido Olhos de Vampa, na comédia Cristina Quer Casar, no bem sucedido O Invasor, ou atuando como produtor e diretor no longa Cabeça a Prêmio. Atualmente, o ator dirige a Ricca produções (produtora de cinema e teatro).

Marco nos concedeu essa entrevista no final do ano passado, e, com ela,  abrimos a temporada de entrevistas do Agora para 2012.






ENTREVISTA EXCLUSIVA


Guilherme Staush pergunta
1 – Você foi professor de História antes de ser ator. De que forma você relaciona essas duas profissões? O que levou de seu conhecimento em História e da experiência em comandar uma turma de alunos para a sua arte de atuar e dirigir?

A relação mais próxima é que as duas atividades envolvem pesquisa, sobre a sociedade e o ser humano. E podem colaborar para uma leitura mais aprofundada. Quanto a comandar alunos e dirigir atores, são coisas distintas. Didaticamente e metodologicamente.


com Maria Luisa Mendonça
em "Renascer" (1993).


Daniel Pepe pergunta
2- Você estreou em novelas já num papel de destaque em Renascer, da mesma forma que Maria Luisa Mendonça, com quem você contracenava. Como aconteceu o convite? Quais foram as maiores dificuldades que você encontrou naquele início de carreira na TV?

Havia recebido alguns convites antes de Renascer, mas esta novela tinha Emilio de Biasi, um dos meus grandes mestres no teatro, e Luís Fernando Carvalho, grande diretor. Eles souberam que eu tinha acabado de ter que entregar o meu teatro que tinha em SP, e fizeram o convite. Acabei, no susto, aceitando. Na época fazia "Dois Perdidos Numa Noite Suja", de Plínio Marcos, e tinha esta condição,  prosseguir com o espetáculo. Acordo feito, parti para Ilhéus. A dificuldade é igual para qualquer iniciante. Pouco importa a quantidade de tempo que você exerça o ofício. 



Guilherme Staush pergunta
3- Após dirigir seu primeiro filme, “Cabeça a Prêmio”, e de passar por um duro processo de captação de recursos para realizá-lo, o que ficou de bom e de ruim dessa experiência? Pretende retomá-la?

Bom é o fazer, ruim é edificar, ter que se ocupar mais em arrumar dinheiro e produzir, do que realmente filmar, criar. Pretendo sim fazer outros, mas de outra forma. Com mais possibilidade.

Na direção do longa "Cabeça a Prêmio" (2009).


 
Duh Secco pergunta
4- O Gustavo, de Paraíso Tropical, talvez tenha sido um de seus personagens de maior popularidade. Você até comentou, na época da novela, que constantemente era abordado nas ruas com frases que faziam menção à trama em que Gustavo presenteava sua esposa Dinorá (Isabela Garcia) com uma geladeira (com água e gelo na porta). De que forma essa proximidade do público contribuiu para o seu trabalho?

A TV tem isso de bom, você é conduzido para uma quantidade enorme de espectadores. Novela das 8, ou 9, sei lá, como chama agora, todo o elenco vira popular.

Em cena com Isabela Garcia em "Paraíso Tropical" (2007).



Guilherme Staush pergunta
5- Você foi convidado para viver o empresário Assis Chateaubriand no filme “Chatô, o Rei do Brasil”, longa-metragem que não chegou a ser concluído devido a suspeita de irregularidades quanto ao uso de verbas governamentais destinadas ao filme por seus produtores. Fora o fato de que o público perdeu a oportunidade de vê-lo interpretando um grande personagem, que avaliação você faz de toda essa polêmica em torno do filme?

Eu adorei fazer o filme.  Me diverti, trabalhei, aprendi muito. Quanto a lançar ou não, não sei responder.




com Fernanda Lima e Cosme
dos Santos em "Bang Bang" (2005).
Daniel Pepe pergunta
6-  É comum atores não ficarem satisfeitos com os rumos do personagem em alguma novela. Pelo que foi noticiado, isso aconteceu com você em Kubanacan e Bang Bang. O que aconteceu nesses casos? Antes da desistência, existiu a possibilidade de acordo com os autores e diretores para que não fosse necessário chegar a esse ponto?

Quando começa uma obra você tem mais ou menos alguns acordos: artísticos, datas, enfim, quando as coisas tomam rumos muito distantes do combinado, melhor a fazer é pegar a escova de dente e não encher o saco de ninguém.



Guilherme Staush pergunta
7- Nas suas últimas novelas “Ti Ti Ti” e “O Astro” você contracenou bastante com atores iniciantes. Qual é a maior dificuldade em contracenar com atores mais novos?

Com profunda sinceridade: nunca tive dificuldade com nenhum ator iniciante.
com Ellen Roche no remake de "O Astro" (2011).


Duh Secco pergunta
8-  Você praticamente emendou Tititi com O Astro. Já tem algum novo trabalho em vista?

Não tenho nenhum trabalho fechado na tv.




MARCO RICCA comenta seus trabalhos na TV:


Éramos Seis (1994) - Delicioso, um elenco de amigos, e era tudo novo.

Razão de Viver (1996) - Mais uma vez elenco,... Demais!

Por Amor (1997) - Manoel Carlos na veia. Um convite dele é uma ordem.  Sou verdadeiramente fã. E fora a Vera Holtz, que maravilha!

Força de Um Desejo (1999) - Entrei no final para esticar um pouco a novela. Novamente, amigos no elenco.

O Beijo do Vampiro (2002) - Diversão. E saudades do meu amigo e grande ator Mario Schoemberg.

Ti Ti Ti (2010) - Ti ti ti ...

O Astro (2011) -  Curta e grossa. Muito bom!



***


5 comentários:

Carlos E. Magalhães disse...

Gosto muito do ator. Já vi no teatro também. Foi bem categórico, fugindo de algumas perguntas.

Telinha VIP disse...

Samir Hayala matou a pau! Marco pôde mostrar um ótimo trabalho na TV.
Parabéns por mais essa entrevista!

Bjs

Anônimo disse...

Ele ótimo até de boca fechada. Grande ator!

Sr. W disse...

Adoro Marco Ricca mas achei um tanto seco na entrevista. Mas chega ser injusto fazer qualquer critica por isso... De todo modo ele cumpre seu oficio e nao é dado a estrelismos ou fama vazia, de tabloide. Admiro e respeito este ator competente, talentoso e necessário!

tvporsenhorw.blogspot.com

Anônimo disse...

gost. de saber sobre o filme Caso morel,em que o Ator marco Ricca trabalhou,foi gravado na cinelandia Rio de Janeiro.