Somos amantes da teledramaturgia. Respeitamos a arte e a criação acima de tudo. Nosso profundo respeito a todos os profissionais que criam e fazem da televisão essa ferramenta grandiosa, poderosa, que desperta os mais variados sentimentos. Nossa crítica é nossa colaboração, nossa arma, nosso grito de liberdade.



ENTREVISTAS EXCLUSIVAS

Free DHTML scripts provided by Dynamic Drive

segunda-feira, 4 de abril de 2011


Trilogia da expectativa

por Daniel Pepe


Insensato Coração já passa de dez semanas no ar, mas causa a impressão de ainda não ter tido aquele “start”, o acontecimento que modifica a vida das personagens e que direciona os rumos da história para outros caminhos. Mas não passa de impressão mesmo, pois tanto os personagens principais, quanto boa parte dos secundários, já tiveram os cursos de suas histórias bem alterados. Então, o que talvez esteja faltando seja um impacto no telespectador que lhe faça ter aquele sentimento catártico de querer continuar a acompanhar a novela para ver qual será o destino da história.

Esse mal aconteceu também nas novelas anteriores do mesmo horário. Passione (2010/11) foi cheia de acontecimentos e reviravoltas, com a vilã pintando e bordando e ainda sendo desmascarada logo no primeiro mês. Mas o que se sentia pelo público era que a novela ainda não tinha começado. Paradoxal, mas era o que acontecia. Com Viver a Vida (2009/10), o sentimento era o mesmo mas, neste caso, a novela já se propunha por ter um ritmo mais lento, portanto a decepção foi menor.

O que as três novelas têm em comum é o fato de algum acontecimento importante estar marcado desde antes da estreia. Pior do que isso, é ele ter sido alardeado, inclusive pelos próprios autores. Em Viver a Vida sabia-se que Luciana (Alinne Moraes) sofreria um acidente e ficaria tetraplégica. Maneco disse que tal fato aconteceria no capítulo 30, mas se concretizou mesmo no 47. Depois do acidente esperou-se até o último capítulo para vermos Luciana definindo um rumo profissional e podendo até tirar carteira de motorista. Acontecimentos louváveis para pessoas em sua condição, que poderiam ter sido mais bem explorados no decorrer da novela. Em Passione, Sílvio de Abreu disse que um dos personagens principais seria assassinado por volta do capítulo 100, o que só ocorreu no 126. Aí o caso já foi mais delicado porque isso representa a metade, ou um pouco mais, da novela. E mesmo chegando ao fatídico ponto, o contrário aconteceu. Se a novela antes era morna, deu uma boa esfriada para só retomar o fôlego nas últimas semanas.

A situação de agora se concentra no fato da personagem de Glória Pires, Norma, ter sido anunciada como a grande vilã da novela, muito antes dela começar. Mais uma grande expectativa, talvez a maior de todas, já que a atriz vem de papéis de mornos para frios na última década. E pesa bastante o fato de Glória ser notável por seus desempenhos como vilã, sendo o último deles a Raquel da longínqua Mulheres de Areia (1993). O público aguardava ansiosamente por mais um papel desses, tanto os que a conheceram dessa forma, quanto os que não tiveram a oportunidade de conferir ainda.

O papel de Norma é bom, mas é desenvolvido lentamente, tendo, até o momento, o mesmo peso de muitos outros personagens secundários da história. Diz-se também que será a partir de quando ela sair da prisão que vai aprontar todas do jeito que o povo gosta. A expectativa foi então transferida para uma determinada altura da novela.

O que pode redimir Insensato Coração, colocando-a a frente de suas antecessoras nesse ponto, será causar grandes impactos com a saída de Norma da cadeia. Caso contrário, continuará figurando ao lado delas como uma novela que não aconteceu, mas que poderia ter acontecido.

6 comentários:

Amanda Aouad disse...

Pois é, Insensato ainda não consegue me manter na frente da televisão. Põe trama morna nisso. Tudo parece tão descartável, daquela coisa de só se eu não tiver mais nada a fazer. Tomara mesmo que Glória Pires nos brinde com mais uma super vilã que possa salvar essa novela.

Ah, quanto a expectativa do anunciado, é um problema do mundo moderno. Pior, foi em Páginas da Vida onde a novela foi anunciada com a questão da garotinha com síndrome de down que ia ser disputada na justiça e isso só aconteceu no último mês da novela.

bjs

edu vieira disse...

Acho mesmo que a novela está perdendo em não colocar a Norma interagindo com os outros personagens...temo que seja pouco tempo pra personagem mostrar o que é, mas é louvável o jeito que os autores desenham essa personagem. parece que ela e a Natalie são a menina dos olhos dos autores mesmo.

Lucas disse...

Olá! Sou novo por aqui, hehehe...
Pois é, eu meio que desisti de Insensato Coração, acho que a novela peca muito nos excessos (principalmente no que eu considero uma apelação sem sentido). Porém, o papel da Glória Pires é o que pode salvar a novela. Está demorando, é verdade, mas conforme o texto, as últimas tramas parecem ter acontecido somente do meio pro fim.
Lucas - www.portalcascudeando.blog.com

Paulo Ricardo disse...

Norma é a minha unica razão em ver a novela. A personagem está sendo construída cheia de razões para justificar sua futura vilania, o que eu espero que aconteça!

Mas, entre as três novelas eu ainda fico com Viver a Vida.

Ótimo texto, Dani! Parabéns pelo Blog!

Isaac Abda disse...

puxa! é por aí mesmo, Pepe... aguardo ansioso por uma Norma bem ao estilo Raquel, nos próximos capítulos.

Parabéns por este espaço, tô sempre por aqui conferindo as novidades!

Walter de Azevedo disse...

Das três novelas, fico com Passione. Mesmo com erros na condução,a ovela de Sílvio de Abreu tinha uma história bem delineada, com tramas paralelas (poucas) que convergiam para a principal, tudo muito bem feito em termos de estrutura. Viver a Vida, na minha opinião, não tinha história. Da metade para o final, um amontoado de cenas sem a menor função dramatúrgica. Insensato Coração poderia ser uma boa novela, mas os autores preferem ignorar Norma e focar a história em personagens secundários e desinteressantes. Para piorar, um sem número de outros personagens entram e saem da novela. Não sabemos quem fica até o final, quem não fica. Mas coisa liga as três últimas novelas, a completa falta de emoção. As novelas de hoje passam e não ficam. Triste caminho esse escolhido por autores e diretores.