Somos amantes da teledramaturgia. Respeitamos a arte e a criação acima de tudo. Nosso profundo respeito a todos os profissionais que criam e fazem da televisão essa ferramenta grandiosa, poderosa, que desperta os mais variados sentimentos. Nossa crítica é nossa colaboração, nossa arma, nosso grito de liberdade.



ENTREVISTAS EXCLUSIVAS

Free DHTML scripts provided by Dynamic Drive

sexta-feira, 3 de junho de 2011













“Vidas em Jogo”, de Cristianne Fridman, novela da Rede Record, finalmente poderá ganhar novo ritmo, agora que os amigos do bolão se descobriram milionários. Aliás, se isso tivesse acontecido na primeira semana da novela, poderia ter prendido mais os telespectadores. Entretanto, a autora tem um grande gancho nas mãos e a trama pode render ótimos momentos de suspense quando um serial killer que está previsto na história entrar em ação.



Irene, personagem de Fernanda Paes Leme em "Insensato Coração", saiu de cena no capítulo desta quinta, após uma das melhores sequências já exibidas na novela. O atropelamento da jovem, causado por Léo (Gabriel Braga Nunes), deixou o público sem fôlego e surpreendeu pela direção segura. Ponto positivo também para Fernanda, uma das gratas surpresas da trama de Ricardo Linhares e Gilberto Braga.



Após o término da estreia de "A Mulher Invisível", a Globo informou que o segundo episódio só seria exibido dali a duas semanas, na terça-feira dia 14. Sobre esta medida, o mínimo que se pode dizer é que é arriscada. O intervalo tão grande, logo no início, pode fazer com que o público perca o interesse e até mesmo se esqueça da série.



Observando-se os índices de audiência dos programas do SBT, nota-se que enlatados como "Chaves", "Chapolin" e "Um Maluco no Pedaço" lideram frente a outras atrações, inclusive às novelas. E, entre estas, as que se dão melhor são as reprises da tarde, baseadas em originais mexicanos ("Cristal") e com temática leve ("Uma Rosa com Amor") deixando a inédita e forte "Amor e Revolução" quase sempre na lanterna. O SBT se consolidou também a partir das novelas mexicanas e dos enlatados, atraindo e acostumando o público a isso. Será que tentar seguir uma linha teledramatúrgica semelhante à concorrência não significa afastar aqueles telespectadores que são os maiores responsáveis pelo seu sucesso?

Um comentário:

Suzana disse...

Nao gostei de A Mulher Invisível. Por mim nem precisava voltar mais.
Quanto a Insensato Coração, finalmente pegou mais ritmo.