Somos amantes da teledramaturgia. Respeitamos a arte e a criação acima de tudo. Nosso profundo respeito a todos os profissionais que criam e fazem da televisão essa ferramenta grandiosa, poderosa, que desperta os mais variados sentimentos. Nossa crítica é nossa colaboração, nossa arma, nosso grito de liberdade.



ENTREVISTAS EXCLUSIVAS

Free DHTML scripts provided by Dynamic Drive

sábado, 17 de setembro de 2011










por Daniel Pepe, Duh Secco e Guilherme Staush





A reprise de Mulheres de Areia vem mostrando que a novela pouco envelheceu nesses 18 anos que separam a primeira exibição do remake de Ivani Ribeiro e dessa segunda exibição no Vale a Pena Ver de Novo. Além disso, mostra, também, que as novelas sofreram poucas mudanças no que se refere à parte técnica de lá pra cá. Essa afirmação fica mais evidente ao lembrarmos que, em 2001, a reprise da novela A Gata Comeu, 16 anos depois de sua primeira exibição, fez transparecer que a trama, também assinada por Ivani Ribeiro,  estava demasiadamente envelhecida para os padrões de estética da teledramaturgia da época.


Morde & Assopra, novela das 7, de Walcyr Carrasco, respirou aliviada nesses últimos capítulos exibidos, e vem obtendo ótimos índices de audiência. Pelos menos duas tramas da novela têm tido consideráveis movimentações nessas últimas semanas: com o golpe de Cleonice (Vera Mancini) em cima da patroa, apoderando-se da fortuna de Salomé (Jandira Martini), o núcleo saiu um pouco da rotina de cenas repetitivas e rendeu cenas bastante engraçadas por conta dessa inversão de papeis entre patroa e empregada. Da mesma forma, a chegada do pai de Guilherme (Klebber Toledo) na cidade trouxe um novo confilto para Dulce (Cássia Kiss Magro) e para o próprio filho. Enquanto isso, os protagonistas da novela continuam envolvidos em tramas secundárias.


Na quinta-feira Antonio Calloni encerrou sua participação em O Astro. Apesar de o personagem ter sido carismático e bem interpretado, havia caído com Neco (Humberto Martins) num jogo de gato-e-rato que já estava se tornando cansativo. A despedida foi coroada de forma inusitada, um costume dos sambistas de homenagear o falecido tocando algum samba em volta do caixão. Apesar de isto já ter acontecido em outras novelas, não deixa de ser inusitado, além de uma bonita homenagem.


Tal e qual a rádio, as TVs brasileiras estão se vendendo para as mais diversas entidades religiosas. É espantoso o número de pregadores que disputam praticamente a tapa os horários ofertados pelas emissoras. Horários estes que demonstram a ganância dos executivos responsáveis pela TV, que loteiam a programação com tais programas, calculam as cifras que recebem, e se esquecem do respeito ao telespectador. A Rede TV, por exemplo, acaba de vender a faixa do meio-dia. Com o lucro, quitou os salários atrasados, coisa que certamente não teria se investisse em programação de qualidade, o que acarretaria em mais anunciantes e consequentemente, o mesmo lucro que obteve mais facilmente com a venda de horário. A Band loteou o seu Canal 21, que exibe programação religiosa durante todo o dia. E ainda temos a Record, associada à Igreja Universal do Reino de Deus, que substituiu profissionais de TV por bispos, o que certamente complicou o seu projeto rumo à liderança. Mas ainda resta uma esperança: Silvio Santos, mesmo enfrentando dificuldades financeiras no SBT, não cedeu suas madrugadas para os muitos líderes interessados em arrebanhar fiéis. Sinal de que ainda temos alguém com respeito pela TV.


***

6 comentários:

João Fernando Nogueira disse...

Pra mim Morde e Assopra continua como começou, sem nada a acrescentar, e também não vi nada de interessante no personagem Natal. A saída dele é mais do que bem-vinda.

Portal Cascudeando disse...

A estética de "Mulheres de areia" não mudou muito, mas o mundo sim... Gente, o que são os objetos de cena da época??? hehehehe
@cascudeando
www.portalcascudeando.blog.com

Jovânio Mendes disse...

Lugar de culto é na igreja! Religião se mete em tudo o que é lugar....

Rodrigo disse...

"A Gata Comeu" envelheceu não apenas na estética, mas no texto também. A trama do Conde de Parma hoje seria considerada infantilóide e inverossímil. Uma mulher como Conceição, empregada doméstica, morando numa casa na Urca, bairro nobre do Rio de Janeiro, também é difícil de engolir. Na época, ninguém notava esses defeitos porque as pessoas viam televisão pra mergulhar mais na fantasia.

Fernando disse...

O problema é justamente esse: ANTES AS PESSOAS VIAM NOVELAS PARA MERGULHAREM NA FANTASIA, hoje assistem novelas para criticar e encontrar defeitos.

Fábio Costa disse...

Pois é. Pode-se falar muita coisa do Silvio Santos, mas também gostei muito dessa atitude dele de não vender horários do SBT pra igreja, seja qual for e ainda que de madrugada. Já basta os outros horários assolados por esse tipo de programa bastante desagradável enquanto atração de televisão, não importa de que religião seja o espectador.