Somos amantes da teledramaturgia. Respeitamos a arte e a criação acima de tudo. Nosso profundo respeito a todos os profissionais que criam e fazem da televisão essa ferramenta grandiosa, poderosa, que desperta os mais variados sentimentos. Nossa crítica é nossa colaboração, nossa arma, nosso grito de liberdade.



ENTREVISTAS EXCLUSIVAS

Free DHTML scripts provided by Dynamic Drive

terça-feira, 20 de março de 2012

          
       MÁSCARAS   E S P E C I A L           

Parte III



Nesta terceira e última parte do especial sobre a novela Máscaras, você vai ler pequenas entrevistas com alguns atores que estarão na próxima produção da Rede Record.

Deixo meus agradecimentos a todos do elenco que se disponibilizaram a participar deste especial.



ENTREVISTAS EXCLUSIVAS
por Guilherme Staush





FERNANDO PAVÃO (OTÁVIO BENARO)





1-  Você estreou na TV em 1998, na Band, na novela Meu Pé de Laranja-Lima. Foi crescendo aos poucos como ator, até que surgiram maiores oportunidades na Record, desde que você foi contratado em 2007. Paralelamente, fez alguns trabalhos no cinema, como o ótimo “Garotas do ABC”, onde você teve um ótimo desempenho. Finalmente teve seu talento reconhecido, e consequentemente ganhou o protagonista de “Máscaras”, depois de viver o Sansão na minissérie produzida pela Record. Quais os maiores desafios em ser o protagonista desta produção, que é a maior aposta da emissora para este ano?

Existe uma responsabilidade maior, claro, pois grava-se muito mais, mas existe um prazer proporcional, e é isso que me estimula. Uma boa estória, com bons atores e boa direção. acho que é o sonho de qualquer ator. As novelas do Lauro são sempre muito estimulantes porque ele não tem lugar comum. Ele sempre vai além.


2-  A troca de identidade é uma temática já explorada em algumas novelas. Entretanto, em Máscaras, “Otávio é levado a assumir a identidade de seu maior inimigo, e seu inimigo assume a identidade do mocinho”, como já explicado pelo próprio autor, Lauro César Muniz, na primeira parte do especial sobre a novela, aqui do blog. De que forma você acha que o público vai se identificar com o herói que veste a máscara de seu maior inimigo? Acha que Otávio corre o risco de o público discordar de suas atitudes?

Penso que a identificação do público, num primeiro momento, talvez se dê pela determinação dele em descobrir o que de fato aconteceu com sua mulher e seu filho. Ele ama sua família e levará a busca até as últimas conseqüências, e no meio desse turbilhão, fatalmente ele terá atitudes "questionáveis", mas a vida é assim, não é? Não podemos ser maniqueístas. Se o público embarcar nos conflitos da personagem e se identificar com ele, ficarei contente.


3-  Você já gravou cenas das duas fases de seu personagem – com barba e sem barba – com diferentes identidades, devido ao fato de que o navio onde foram gravadas as cenas iniciais da novela não poderá ser utilizado novamente. Essa informação procede? Existe alguma dificuldade para o ator em gravar cenas com muita antecedência, em se tratando de dois personagens que mudam a identidade?

Sim, gravei cenas com o visual diferente, mas sempre como Otávio. Ainda não gravei cenas como Martín. A barba é porque se passaram alguns meses e ele estava em depressão por não ter encontrado sua família. Nesse caso é preciso estar mais atento a continuidade de emoção, pois gravamos uma cena hoje e a sequência dela 20 dias depois. A troca de identidade será gravada em breve.





PETRÔNIO GONTIJO   (Dr. DÉCIO NAVARRO)


Petrônio fotografado pela atriz Daniela Galli durante gravações no
Vision of the Seas.


1- Depois de um papel bastante pesado em Poder Paralelo, na Record, onde você viveu o dependente químico Rudi Castellamare, e de um personagem mais leve em Insensato Coração, na Globo, você está de volta à Rede Record, com um contrato de cinco anos, e em mais uma novela de Lauro César Muniz. Mesmo com a carência de “galãs” na televisão, você ainda acha vantajoso para o ator prender-se a contratos longos, ainda que, na maioria das vezes, ele não possa optar pelo trabalho que quer fazer?

Nunca precisei optar ou recusar papéis em TV, tive bons personagens e foi bem vindo um contrato mais extenso agora. Tenho a liberdade de conversar sobre meus papéis e também posso fazer teatro, que estou afastado há algum tempo. Fora o fato de gostar do trabalho.  Não penso no que seria mais vantajoso, mas no que poderia trazer satisfação no momento, assim não me preocupo com o que vem pela frente. Conduzi minhas decisões profissionais dessa forma até aqui e, pra mim, tem sido bom. Estou feliz de estar na Record e reencontrar amigos.



2-  O Dr. Décio Navarro é um personagem que já nos primeiros capítulos mostra-se recheado de mistério, deixando dúvida se está ou não ligado ao sequestro de Maria e seu filho. Como lidar com a dubiedade dos personagens em uma trama de suspense? É mais importante para o ator conhecer a realidade do seu personagem do início ao fim para uma melhor composição do mesmo, ou o grande barato de uma obra aberta é justamente a surpresa que o autor lhe reserva a cada capítulo?

Eu gosto mesmo da surpresa. Lauro César Muniz e toda equipe são excelentes e trabalham com isso o tempo todo. Os personagens surpreendem pela humanidade. Lauro trabalha com o inusitado, enfim, com a vida.  É muito prazeroso e uma responsabilidade grande estar envolvido nisso. 
Prefiro quando não sei a longo prazo o destino do personagem, falando em novelas, é claro.
A dubiedade está ligada a humanidade dos personagens. Isso pede estudo, observação ao ator. 
Pra se falar de mistério seria bom ter algum, tenho revisto os meus. O texto de Lauro propicia isso.



JONAS BLOCH  (BIG BLOND)


1-  Conte um pouco sobre o Big Blond, o líder de uma gangue, que você vai interpretar em “Máscaras”? O personagem vai ter um lado familiar ou romântico também?

Estamos muito no começo da novela e fica difícil falar do personagem. É um vilão diferente de todos os que fiz, mais racional, calculista e com uma dose de humor.
Estou muito entusiasmado com a novela, não só pelo papel, mas por ter um elenco excelente, um autor de qualidade comprovada e o diretor, Ignácio Coqueiro, com quem já trabalhei na Globo, em sucessos como A Viagem, Mulheres de Areia, Malhação.


2- Você tem se especializado em interpretar grandes vilões na TV, como o Ismael, de A Viagem (1994) e o Russo, de Corpo Santo (1987). Desde que veio para a Rede Record, vem colecionando personagens malvados, como o Ramalho, de Bicho do Mato (2007) e Ricardo Ávila, de Bela, a Feia (2010). E agora, se prepara para viver mais um grande vilão. É você quem procura por esses personagens ou são eles que procuram por você? Interpretar mais um bandido, aumenta o desafio para o ator que já tem uma vasta galeria de vilões?

Não procuro esse tipo de papel, apesar de serem papeis mais interessantes e de maior sucesso, mas como fiz sucesso com alguns deles, é natural que lembrem de mim ao escalarem o elenco.
Tenho feito papeis de bons sujeitos também, mas os vilões sempre são mais lembrados.



BÁRBARA BRUNO  (ZEZÉ)


1-  Nos dias de hoje, algumas famílias estão optando em ter animais (cães ou gatos)  para substituírem os filhos. O casal Zezé (Bárbara Bruno e Roberto Bomtempo) foi mais longe: criou um filho que só existe na imaginação dos dois. Conte um pouco sobre sua personagem em Máscaras e sobre esse estranho “ser invisível” que vai fazer parte de seu núcleo.

O Zezinho (filho do casal Zezé), não mora mais conosco. Cresceu, tem vida própria... Mas isso não significa que tenha nos esquecido, vem sempre comer o bacon e a pimenta da mamãe e, é claro, o leite (com cachaça) do papai.  Quem se regala mesmo  são Aristófanes e Izildinha (os animais de estimação do casal) que entre um osso e um mosquitinho não abrem "pata" dos quitutes caseiros.
Eles que levantem as patinhas para o céu porque a vida não é para aqueles  que a enxergam pela concretude dos fatos, mas para quem tem a alma repleta de possibilidades e amor verdadeiro para suplantar as vicissitudes e ampliar infinitamente a condição humana.


2-  De que forma você costuma interagir com Lauro sobre as novelas que ele escreve? Vocês assistem às novelas juntos? Você participa de alguma forma na trajetória de seu personagem ou da trama, seja fazendo comentários, sugestões ou discutindo sobre as personagens da novela ou cenas que vocês assistem, ainda que indiretamente?
 
Tanto quanto você, com suas perguntas. Tanto quanto a Nida e a Maria, que trabalham aqui em casa. Tanto quanto nossos vizinhos. Tanto quanto nossos amigos e supostos inimigos. Tanto quanto os artistas, de todas as modalidades. Tanto quanto os livros, jornais e revistas. Tanto quanto o computador que abre as portas para o mundo. Tanto quanto a vida, que teimosamente insiste em fustigar, estimular e desafiar todo aquele que não se contenta com o que já foi conquistado, mas está inquietamente em busca do melhor!




FLAVIA MONTEIRO    (ENEIDA)





1- Conte-nos um pouco sobre a Eneida, a engenheira naval que vai viver um triângulo amoroso com Caio (Nicola Siri), de quem é noiva, e Manu (Giselle Itiê). Quais as características de sua personagem?

Bom, a Eneida é uma Engenheira Naval, rica, bem sucedida, inteligente, perspicaz e apaixonada. É noiva do Caio (Nicola Siri) e que terá a Manuela (Gisele Itiê) como sua "rival". Eles têm um mega projeto em suas vidas que é construírem o maior transatlântico do Brasil e um novo estaleiro. Isso será um dos grandes trunfos contra ele e uma boa  forma de controlá-lo e prendê-lo na relação!


2- Você já atuou em praticamente todas as emissoras de TV, e teve a oportunidade de participar de algumas das novelas de maior sucesso em cada uma delas: Vale Tudo (Globo), Pantanal (Manchete), Éramos Seis (SBT) e Vidas Opostas (Record). E, certamente, Máscaras vai acrescentar bastante ao seu currículo de atriz. Acredita que quando uma novela faz um grande sucesso, o trabalho do ator é mais gratificante? Ou é possível fazer um trabalho bastante recompensador ainda que em produções mais modestas, em novelas de pouca repercussão?

Eu acho que o trabalho do ator e o sucesso de seu personagem independem da produção e do sucesso de um trabalho! Existem vários atores que se destacaram e até ganharam prêmios em novelas sem muita expressão com o público. Pra mim, o sucesso é uma conseqüência. Mas me sinto um pouco sortuda, sim, por ter feito grandes papéis que tinham uma identificação grande com o público e por ter participado de grandes e inesquecíveis novelas.




NICOLA SIRI (CAIO)


1-  Em sua última novela com Lauro, Poder Paralelo, muitas surpresas foram reservadas para seu personagem no final. Paulo Garzia era o “guri”, a chave de um dos maiores suspenses da trama, e que você já confidenciou ser um dos maiores presentes que já ganhou. Agora, em Máscaras, o Caio, seu personagem, parece que vai ter um lado mais romântico, formando um triângulo amoroso com Eneida (Flávia Monteiro) e Manu (Giselle Itiê), e terá também uma filha adolescente. Você prefere personagens mais românticos ou quando eles estão inseridos em tramas de ação e suspense?

A princípio gosto mais de tramas de suspense, personagens misteriosos. Mas variar de personagens é fundamental para o ator e, se o texto é bom e a história interessante, qualquer papel se torna perfeito. Meu personagem em Máscaras, o Caio, é sim um homem bem-sucedido na carreira, vai viver um triângulo amoroso, é louco pela filha adolescente, mas quem sabe, pode estar escondendo algo...como disse o Lauro César, todos aqueles que estão no cruzeiro podem estar envolvidos no sequestro e, como marca do autor em suas novelas, as personagens são seres humanos, por isso complexas, não são unidimensionais e nem sempre o que parecem.


2-  Você já confessou que não gosta de se assistir na televisão por ser bastante crítico. Quais são as maiores críticas que você tem com relação ao seu trabalho?
 
Para as gravações me dedico 100% e procuro fazer o melhor, pesquiso, estudo o texto etc. Mesmo sabendo disso, o ser humano está sempre em transformação e cada dia é diferente, nos percebemos de outra forma, evoluímos. Então, quando me vejo dias ou semanas depois, vem a sensação de que poderia ter feito melhor. Acho que a maioria das pessoas que se importa com seu trabalho sente isso e daí surge a auto-crítica.
 
Então, já que sua entrevista é a última, vou te colocar em “saia justa”. Em que você se considera melhor: como pai, como ator ou como jogador de futebol?

(risos) Desde pequeno me perguntam o que queria ser quando crescer e eu dizia: ator e jogador de futebol...consegui os dois! Não sei no que me tornei melhor (risos), só sei que essas sempre foram as minhas grandes paixões...até nascer o Iago. Ali a vida passou a ter o verdadeiro sentido, meu filho é meu grande amor e no futuro ele vai poder lhe responder se sou melhor pai do que jogador de futebol e/ou ator!!!


Nicola com os colegas Fernando Pavão e Bemvindo Sequeira.

  ***


Leia a  PARTE 1  do especial (entrevista com os autores da novela)

Leia a  PARTE 2  do especial (entrevista com os colaboradores da novela)


4 comentários:

João Alberto Miotto disse...

A Novela promete! Grande elenco e gente competente escrevendo. Se a Record nao começar a mudar o horário toda hora, vai prender!

Kleiton Alves Hermann disse...

Elenco maravilhoso o dessa novela, com raríssimas exceções. Que bom que Petrônio Gontijo voltou à Record. Acho que ele tem melhores oportunidades lá! Continuo achando que André Bankoff fez uma grande besteira indo pra Globo (pelo menos até o momento).

Que respostas poéticas da Bárbara Bruno, não? hehe

Abraço

Jovânio Mendes disse...

Essa novela vai ser show! As chamadas já mostram isso. Pena que Paloma Duarte não está entre os entrevistados. A personagem dela parece bem interessante.

Francisco Beltrão disse...

Olá!

Sou de Portugal e espero conferir esta novela que será sucesso.

Um abraço cordial