Somos amantes da teledramaturgia. Respeitamos a arte e a criação acima de tudo. Nosso profundo respeito a todos os profissionais que criam e fazem da televisão essa ferramenta grandiosa, poderosa, que desperta os mais variados sentimentos. Nossa crítica é nossa colaboração, nossa arma, nosso grito de liberdade.



ENTREVISTAS EXCLUSIVAS

Free DHTML scripts provided by Dynamic Drive

sexta-feira, 29 de abril de 2011


Devagar, a coisa muda!
Por Duh Secco

A Globo lançou sua nova grade na primeira semana de abril. Ou melhor, lançou novos programas para a sua já conhecida grade. Programas que mantêm o formato das últimas investidas da emissora em sua linha de shows: séries, entre estreias e reestreias, e jornalísticos. Ou seja: a programação da Globo, e as atrações que a compõem, continuam a mesma. Ou parecem continuar.

Aos poucos, a engessada grade da emissora vai sofrendo sensíveis modificações, visando audiência e a necessidade de se renovar perante o público atual, ávido por atualizações constantes. O horário nobre sofreu um atraso de quinze minutos em todas as suas atrações, o que acarretou índices melhores para o tradicional Jornal Nacional. As mudanças de horário não se limitaram aos programas da faixa de maior audiência da Globo. Pelas manhãs, o Bom Dia Brasil foi esticado, na tentativa de combater os bons números da Record. Nas tardes, o Vídeo Show, em ótima fase, ganhou mais espaço. Algumas atrações foram enxugadas, como o Mais Você e a TV Globinho, o que possibilitou o ingresso do interessante Bem Estar na grade matutina. Com uma duração relativamente curta (apenas quarenta minutos), o programa vai ao encontro de outra opção da Globo nesses tempos de sutis mudanças em sua grade: a de investir em atrações curtas, de modo que o público não fique muito preso aquele produto, durante muito tempo, o que pode acarretar queda de audiência, e conferir uma média baixa à atração.


Tal aposta não se restringe ao tempo de duração no ar, como também ao período em que aquela atração vai permanecer na grade. A aposta em séries de curta duração, por exemplo, garante a renovação constante da linha de shows, ainda que a emissora recorra sempre a estes pequenos produtos de sua dramaturgia, esnobando atrações de gêneros como o musical (que continua sendo negligenciado, com o ótimo Som Brasil escondido nas madrugadas) ou o de auditório. A exceção à regra foi o excelente Amor e Sexo, comandado por Fernanda Lima, e exibido nos primeiros meses do ano, o que indicou outra investida da Globo na atualização de sua grade: o investimento no período do ano anteriormente destinados a reprise, de janeiro a março. Se antes as novidades desta época se resumiam ao Big Brother Brasil, agora podemos contar com séries e programas especiais.

A Globo tem se livrado até mesmo de certos títulos que marcaram sua história. As chamadas de Insensato Coração, nas quais o locutor anunciava a estreia como “nova novela das nove”, já indicava a extinção da tradicional “novela das oito”.

Tudo isso que nos leva a concluir que a maior emissora do país, ainda que pareça sempre estática no que diz respeito a grade de programação, está se mexendo. Uma mexida sensível, diferente das costumeiras alterações das demais emissoras de TV do Brasil, o que certamente contribui para que a Globo permaneça inatingível no lugar em que sempre esteve.

Um comentário:

principal disse...

Mudanças e alterações na grade são necessárias a todo o momento, pois como dizia o velho poeta, que preferia ser uma metamorfose ambulante, do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo... uhauhauaha
Até com a transmissão do casamento real entre o príncipe William e Kate Middleton a audiência da Globo aumentou em quatro pontos... uhauhau
Excelente análise, Parabéns pelo post Duh!