Somos amantes da teledramaturgia. Respeitamos a arte e a criação acima de tudo. Nosso profundo respeito a todos os profissionais que criam e fazem da televisão essa ferramenta grandiosa, poderosa, que desperta os mais variados sentimentos. Nossa crítica é nossa colaboração, nossa arma, nosso grito de liberdade.



ENTREVISTAS EXCLUSIVAS

Free DHTML scripts provided by Dynamic Drive

sexta-feira, 6 de maio de 2011

TV In e TV Out

por Daniel Pepe


Na segunda, em "Insensato Coração", a cena em que Vitória (Nathália Timberg) manda Carol (Camila Pitanga) demitir sua amiga Cláudia (Cristina Flores), para que Raul (Antonio Fagundes) conseguisse recolocar-se profissionalmente. Nathália e Camila estiveram bem como sempre em cena, mas o que é interessante destacar é a naturalidade como Vitória expôs a questão à sua subordinada, já que deve ter se deparado com casos similares outras vezes, pelo tempo de trabalho como empresária. Vitória não é vilã, nem demonstrou dúvidas quanto ao seu caráter até o momento, exceto por essa situação polêmica que divide opiniões e que ocorre entre pessoas "do bem" na vida real.


O entrecho do casamento não realizado entre Abner (Marcos Pasquim) e Celeste (Vanessa Giácomo) em "Morde & Assopra", no capítulo de quarta. Esse tipo de situação se tornou tão clichê que não causa mais surpresa, mas aborrecimento por demonstrar falta de criatividade. É o tipo de coisa que dá certo de tempos em tempos por ser uma situação inusitada, mas de uns tempos pra cá tem ocorrido demais, algumas vezes na mesma novela.

3 comentários:

Edu Vieira disse...

boa lembrança dessa cena..passou bem a tensão e o mal estar da da situação e a frieza necessária e da crueldade que pode ser o mundo empresarial, com esses mbas da vida.

Amanda Aouad disse...

Essa cena por acaso vi, hehe, tenho visto pouco de Insensato Coração. É boa mesmo, as duas estavam ótimas.

Já Morde e Assopra... Bom, com ou sem robô, acho que a novela já se perdeu...

bjs

Marcelo disse...

Eu vi a cena pensando: como a Vitória consegue conciliar nepotismo e politicamente correto num discurso necessário para ela justificar o ‘pistolão”, o “QI” (Quem Indica), em bom português.