Somos amantes da teledramaturgia. Respeitamos a arte e a criação acima de tudo. Nosso profundo respeito a todos os profissionais que criam e fazem da televisão essa ferramenta grandiosa, poderosa, que desperta os mais variados sentimentos. Nossa crítica é nossa colaboração, nossa arma, nosso grito de liberdade.



ENTREVISTAS EXCLUSIVAS

Free DHTML scripts provided by Dynamic Drive

segunda-feira, 18 de julho de 2011










O amigo Daniel Freitas colabora com mais um texto, dessa vez sobre Xuxa, que completa este ano 25 anos na Globo. Agradecemos a mais esta colaboração!

Um Mito Chamado Xuxa

Aos 48 anos, a apresentadora gaúcha Xuxa Meneghel é um dos rostos mais conhecidos da televisão brasileira. Sua trajetória profissional de grande êxito junto ao público e ao mercado a tornou um exemplo de sucesso ímpar no país e a coroou com o título de Rainha dos Baixinhos. Em junho deste ano, Xuxa completou 25 anos de trabalho de Rede Globo e a data foi festejada com um programa especial que foi ao ar no último dia 2, no qual apareceu cercada de amigos e lembranças de seus tempos áureos. E, nesse ponto, não há como negar: a programação televisiva infanto-juvenil das últimas décadas não teria sido a mesma sem Xuxa. 

Desde quando surgiu na telinha, ainda no “Clube da Criança”, da Rede Manchete, muito se falou sobre ela. Não foram poucas as tentativas de achincalhá-la dando ênfase a seus trabalhos anteriores em filmes sensuais ou chamando a atenção para o conteúdo pouco (ou nada) educativo dos seus programas. O que se sabe, porém, é que Xuxa enfrentou toda a onda de críticas e firmou seu nome num time de astros da TV do qual pertencem hoje nomes como Renato Aragão e Fausto Silva. Não apenas isso. Xuxa provou que sabia fazer aquilo que esperavam dela e conquistou crianças, jovens e adultos com sua alegria e seu carisma.

E foi assim que Maurício Sherman, o grande responsável por revelar Xuxa ao Brasil, a definiu como a pessoa adequada a apresentar programas infantis. “Não queria alguém que apresentasse apenas gostando de crianças ou sabendo lidar com elas, mas sendo elas”, disse o diretor, à época. Daí pro sucesso no “Xou da Xuxa” foi um pulo. Já na Globo, de 1986 a 1992, a loira comandou o programa infantil de maior audiência da história da TV brasileira, com direito a brincadeiras, jogos, números musicais e desenhos. Ao conduzir a atração, Xuxa se confundia com as crianças, pois era uma delas, no meio delas, falando para elas. Ela vestia roupas provocantes, mas não era vulgar. Ficava horas no ar, mas o público não se cansava dela.

No rastro do seu sucesso, surgiram milhares de produtos, roupas e acessórios licenciados com seu nome, devidamente anunciados no programa. Para a criança, a televisão tornou-se uma janela para um mundo róseo, edulcorado e cheio fantasia criado por Xuxa. Sem falar nos milhares de discos vendidos e nos filmes protagonizados por ela no cinema. Tudo funcionava como peças de uma engrenagem que servia de combustível a um mundo de sonhos que acalentou toda uma geração. Os educadores não pouparam as críticas e a imprensa pegou pesado. Mas enquanto houve público para prestigiá-la, Xuxa não deu sinais de querer parar.

Foi esse mesmo público que não entendeu nada quando, no auge do sucesso, ela quis encerrar o “Xou da Xuxa”. O programa chegou ao fim em 31 de dezembro de 1992, para desespero dos fãs que custavam a acreditar que a Rainha dos Baixinhos estava subindo à nave pela última vez. Mas naquela época, Xuxa já era um mito no Brasil e queria ganhar o mundo. As propostas para apresentar programas infantis na América Latina se sucederam uma após a outra. Nos Estados Unidos, porém, a tentativa de se firmar como a presentadora não deu muito certo, pois o público americano a considerou sexy demais para as crianças.

A retomada da carreira no Brasil não demorou. Já em 1993, estrelou sem grande repercussão o dominical “Xuxa”, do qual pouca gente se lembra. No mesmo ano, foi ao ar o “Paradão da Xuxa”, que mais tarde virou “Xuxa Hits”, só com musicais. Pouco tempo depois, firmou novamente seu espaço na grade matutina global com o “Xuxa Park”, aos sábados. Em 1997, acumulou o Park com o “Planeta Xuxa”, aos domingos, voltado ao público adolescente – os ex-baixinhos que cresceram, mas continuaram gostando dela. Oprograma fez um tremendo sucesso e devolveu à apresentadora um prestígio que parecia perdido. O público teve a verdadeira Xuxa de volta, que cantava e dançava com a autenticidade que lhe conferiu o caminho ao estrelato.

Grande parte do sucesso do “Planeta”, é justo dizer, deve-se a Marlene Mattos, a empresária e braço direito de Xuxa, responsável por transformá-la no ícone da TV que ela é hoje. A própria Marlene já afirmou que a atração juvenil é um dos programas dos quais ela mais de orgulha de ter dirigido. “Uma revista eletrônica de qualidade”, definiu a empresária. Um dos quadros de maior sucesso foi o “Intimidade”, no qual Xuxa fazia perguntas picantes aos seus entrevistados – de tão picante, chegava a ser grotesco, certas vezes. Tudo parecia caminhar bem até que os ares da maternidade, vindos com a tão sonhada Sasha, deu a Xuxa uma vontade incontrolável de deixar os adolescentes de lado e voltar a trabalhar exclusivamente para crianças. Marlene Mattos não acreditou no projeto, as duas se desentenderam e cortaram relações. Em 2001, o casamento profissional se desfez.

O rompimento conturbado parece não ter sido benéfico para nenhuma das duas. Em outras emissoras, Marlene não conseguiu a mínima repercussão. No máximo, logrou projetos com pouco ou nenhum sucesso. E Xuxa bem que tentou (e ainda tenta) levar a cabo uma iniciativa que relembrasse os tempos áureos, mas não foi bem sucedida. Logo após se tornar mãe, aventurou-se com o “Xuxa no Mundo da Imaginação” nas manhãs da Rede Globo, com um conteúdo mais educativo e voltado a crianças de pouca idade – os mais baixinhos mesmo, aqueles que ainda estavam aprendendo a ler, a escrever, a falar e a contar. A intenção era boa e até alguns críticos mais ferrenhos deram o braço a torcer. Mas os tempos, definitivamente, eram outros.

Xuxa não se deu conta de que as crianças de hoje não eram mais aquelas da década de 80, que se contentavam em ficar diante da televisão aceitando passivamente o que lhes era posto. O advento da internet e das novas mídias tornavam o “mundo da imaginação” de Xuxa arcaico,defasado e um pouco patético. E isso não era tudo. Enquanto nos tempos do “Xou”, Xuxa era vista como uma verdadeira rainha, amada e idolatrada, em seu novo programa ela aparecia como uma prima mais velha, uma titia do bem, praticamente implorando que as crianças gostassem dela.

Daí em diante, surgiram novas tentativas de manter Xuxa na grade da Globo com um programa à sua altura. Vieram o “Conexão”, um programete de gincanas entre famosos, e o “TV Xuxa”, inicialmente diário e voltado ao público infantil,cujo quadro mais lembrado era justamente aquele em que Xuxa repaginava os tempos do “Xou” e cantava seus antigos sucessos. Hoje, após várias reformulações, o “TV Xuxa” é apresentado nas tardes de sábado como um programa de variedades que, se não faz muito bonito em termos de audiência, também não faz feio.

Entre êxitos e tropeços, o fato é que Xuxa comemora hoje seus 25 anos de Rede Globo como uma estrela de primeira linha na emissora. Seu carisma é inegável e, críticas à parte, Xuxa sempre respeitou o seu público, que permanece fiel – e por isso mesmo parece relevar as bobagens que ela repete vez ou outra na mídia. E nesse rol, estão não apenas admiradores comuns, mas também seguidores fanáticos. Depois de Xuxa, o Brasil conheceu Angélica, Eliana e Mara Maravilha. Todas com sua história, mas com trajetórias profissionais incomparáveis a de Xuxa.

A geração Xuxa é hoje apontada como uma legião de adultos alienados, que propagam valores artificiais e alimentam sonhos que nunca serão realizados. Isso até pode ser verdade (ou não) e renderia intermináveis discussões de cunho antropológico ou sociológico. Mas isso fica para os estudiosos e pesquisadores. Para a indústria cultural, o mercado de consumo, o público em geral e a mídia impressa e televisiva, Xuxa é e continuará sendo um grande fenômeno.

9 comentários:

Rodrigo disse...

O maior problema da Xuxa, na minha opinião, é que ela não evoluiu como apresentadora. A Globo também ajuda a fortalecer o rótulo de "Rainha dos Baixinhos" quando aparece uma oportunidade como "Criança Esperança", mas esse título de "Rainha" é coisa do passado.

Outras apresentadoras bem mais jovens do que ela, como Angélica e Eliana, já perceberam há muito mais tempo a hora de parar com os programas infantis.

Leila Abranches disse...

Xuxa é um fenômeno inexplicável. Artisticamente não tem grandes qualidades. Acho que ela só fez sucesso com as crianças mesmo. Hj em dia, só quem gosta dela são as crianças que já estao crescidinhas, e que acompanharam os seus programas.

Moderador X disse...

Xuxa é e sempre será um mito. Dificilmente outros artistas brasileiros conseguirão um espaço tão sólido e intocável quanto o dela na história da nossa televisão. E é igualmente inegável que o auge da carreira de Xuxa foi mesmo entre os anos 80 e 90, época em que ela conseguia hipnotizar os telespectadores com seu carisma, alto astral e verdade - Xuxa tem uma transparência diante das câmeras que é inigualável. Chora e ri com a mesma verdade, conseguindo arrastar o grande público consigo para qualquer emoção que lhe esteja à flor da pele.
Se houve alguns tropeços, claro, é peerfeitamente compreensível, afinal, uma carreira de tantos anos e de tanto sucesso só poderia, mesmo, conter altos, baixos, momentos de muita dor mesclados à inúmeros outros de alegria, fantasia e encantamento.
O texto do Daniel está muito bom, verdadeiro e justo.
Uma bela homenagem a uma artista que merece todo o nosso reconhecimento.
Grande abraço aos meninos do Blog!

Rodrigo disse...

Xuxa artista? Francamente!
Pra mim, ela é mais uma modelo, um produto fabricado pela televisão, por empresários mercenários como Marlene Mattos, por produtores musicais mercantilistas como Michael Sullivan e Paulo Massadas, entre outros fatores.
Ela é um fenômeno de marketing, isso temos que admitir sim, pois fez sucesso graças apenas ao carisma, à beleza que tem. Como apresentadora, é uma excelente modelo, assim como a Monique Evans, que não teve a mesma sorte da Xuxa porque não teve uma empresária como Marlene Mattos para administrar sua carreira.
Mas, na TV, tudo é fácil. A Xuxa tem um ponto onde o diretor dá as instruções que ela deve seguir, dita aquelas frases melosas que ela tem que dizer, mas basta colocar a Xuxa num palco ao vivo pra ver que ela é uma grande farsa. Pra começar, ela canta todas as músicas em playback, nenhuma ela canta ao vivo.
Um exemplo, em menor escala, do que foi feito com a Xuxa no passado, é feito agora com a Grazi Massafera. A moça é linda, uma ótima modelo, mas alguém inventou que ela é uma atriz talentosa e muitos acreditaram nessa conversa. Assim como a Xuxa, ela só serve mesmo pra fazer comerciais da L'oreal ou de qualquer outro cosmético.
Pior mesmo é a Xuxa "entrevistadora". Recentemente, na hora de entrevistar Glória Pires em seu programa, a Xuxa mostrou no ar que não sabia o que significava a palavra "maledicente", dita pela atriz. Se fosse com a Angélica no "Estrelas", o rendimento da entrevista seria muito melhor.

Luis Celso Monquelat disse...

É inegável que a Globo colocou a Xuxa nas alturas, mas não acredito que uma emissora, ainda que a Globo, tenha tanto poder de manter uma pessoa no topo por tanto tempo. Se a Xuxa tá aí até hoje é porque tem algum talento, ou algum carisma, que seja.
Parabéns ao blog. A Xuxa merece essa lembrança!

Anônimo disse...

Otimo texto Dan! Xuxa é noticia onde passa sua trajetoria de 25 anos na mesma emissora é sinal de competência.Abraços

Jonas Garcia Luciano. disse...

Rodrigo, olha só
não querendo defender nem acusar ninguem, mas Xuxa é sim uma artista!
há alguns meses atrás tive a oportunidade de participar de uma gravação do TV XUXA e posso te dizer com certeza que ali não tem ponto algum. O que ela fala, o que ela passa realmente é dela. Claro que ela segue o espelho do programa, mas ponto pra falar Chore, de risada, faça isso, faça aquilo não existe mesmo!
Como disseram ai, acredito que seja impossivel uma emissora manter alguem no topo, se ela hoje se mantem como estrela, é porque ela fez por merecer.
Quanto aos playbacks, ela mesma diz que não é cantora, que colocaram ela pra cantar e ponto. Hoje ela diz que é uma Vendedora de discos e inclusive faz várias brincadeiras sobre isso, dizendo que em outras vidas quer ter voz pra cantar.
O interessante do mito Xuxa é que não existe meio termo. Você ama ou odeia!

brubrusilvaccsp disse...

Só quem acompanhou a história de Xuxa na televisão sabe sim que ela é uma grande artista ... Tem postura frente ás câmeras, é disciplina, extrovertida, sabe conduzir seus programas e atualmente tem se mostrado como produtora e diretora também !
Tenho orgulho em dizer que sempre fui fã dessa grande personalidade brasileira e é muito bom ver a cada dia seus crescimento como profissional.
Parabéns por esses 25 anos de sucesso Xuxa !

Anônimo disse...

Realmente Xuxa foi um fenômeno na televisão e influenciou gerações. Sem talento para cantar, vendeu milhares de discos e emplacou hits. Adorei o texto meu amigo.
Grande abraço,
Amanda