Somos amantes da teledramaturgia. Respeitamos a arte e a criação acima de tudo. Nosso profundo respeito a todos os profissionais que criam e fazem da televisão essa ferramenta grandiosa, poderosa, que desperta os mais variados sentimentos. Nossa crítica é nossa colaboração, nossa arma, nosso grito de liberdade.



ENTREVISTAS EXCLUSIVAS

Free DHTML scripts provided by Dynamic Drive

segunda-feira, 21 de março de 2011











Morde & Assopra: estreia correta.
por Guilherme Staush



A estreia de Morde & Assopra, de Walcyr Carrasco, a nova novela das 7, foi o grande acontecimento do dia de hoje na Rede Globo. É a sétima novela do autor. Walcyr é o autor que mais escreve novelas dentro da emissora carioca nos anos 2000, e agora tem a difícil missão de substituir uma das novelas de maior sucesso, em audiência e popularidade, dos últimos anos: o remake de Ti Ti Ti.

O capítulo começou com uma narração em off feita pelo ator Mateus Solano, um dos protagonistas da trama, dedicando a novela aos japoneses, vítimas dos terríveis acontecimentos que não saíram das manchetes dos telejornais nos últimos dias.

O capítulo focou nas tramas principais da história. Uma delas é a de Júlia (Adriana Esteves), uma paleontóloga que foi ao Japão fazer escavações e encontrou um réptil marinho com chifres, de origem desconhecida. Juntamente com ela, estavam seus companheiros, o escudeiro Cristiano (Paulinho Vilhena) e a traidora Virgínia (Bárbara Paz).

Outra núcleo principal é o de Abner, o proprietário de uma fazenda no interior de São Paulo que sofre uma ameaça de perder suas terras.
O telespectador também foi apresentado a Ícaro, um cientista que está em Tokyo para contatar um especialista em robótica, na tentativa de criar um robô com as características de sua mulher, Naomi (Flávia Alessandra), que desapareceu durante um naufrágio. Ìcaro quer que o robô possua as mesmas características dos humanos, ande, fale, e acima de tudo tenha sentimentos. Certamente, o desaparecimento de Naomi, cujo corpo não foi encontrado, é uma das grandes surpresas da novela: a moça deverá reaparecer, causando muita confusão depois de Ícaro já estar completamente apaixonado por sua “sósia futurista”.

O capítulo terminou com o encontro do par romântico central, Júlia e Abner, após a volta da paleontóloga ao Brasil, já que, por incrível que pareça, ela desconhecia a existência de ossos de dinossauros dentro de seu próprio país.

A união de passado (retratado pela paleontóloga Júlia) e futuro (através do cientista Ícaro) é a grande atração da novela, que promete muito romance, humor e suspense no decorrer de seus próximos capítulos.

O capítulo de estreia foi bem ágil, redondo, correto, marcado por boas atuações. Além disso, é quase que um alívio ver Walcyr Carrasco respirando sem os pulmões de Jorge Fernando, que vem mostrando uma direção rançosa, e transformando cada cena das novelas que dirige em um circo.
Muito mais eficiente é a direção de Rogério Gomes, valorizando o texto do autor e a interpretação dos atores.

Outro ponto positivo foi a escolha do elenco. Bem acima da média se comparado ao das novelas anteriores do mesmo autor. Os atores principais Mateus, Adriana e Pasquim mostraram um ótimo desempenho nesse primeiro capítulo.
Paulinho Vilhena foi uma ótima surpresa, fazendo um dos membros da equipe de Júlia, levemente gago, tímido e apaixonado por sua mestra. Como ponto negativo, fica a atuação da fraquinha Vanessa Giácomo, que não perde o jeitinho da “cabocla” Zuca, papel que lançou a atriz na televisão.

Merece destaque, também, a abertura da novela: uma animação que mostra uma robô e um dinossauro brincando de morder e assoprar, remetendo ao título da trama.

Espero que a novela continue nesse ritmo: sem exageros e sem o habitual humor pastelão, típico das últimas novelas das 7, e livre dos habituais clichês que caracterizaram várias novelas do autor: porquinhos no chiqueiro, vilãs caricatas e guerra de tortas de chocolate na cara.

6 comentários:

Walter de Azevedo disse...

Não posso comentar sobre o capítulo pois não vi. Já li críticas boas e ruins, mas todas concordam que o fim da dobradinha Walcyr Carrasco/Jorge Fernando, foi benéfica.
As cenas das chamadas me deram a impressão de Walcyr estar escrevendo, de novo, a mesma novela, mas vou conferir. Espero estar errado.

Fábio Leonardo disse...

A novela é mais do mesmo do Walcyr, mas o fato da direção ser tão diferente dá a impressão de novidade. E, de certa forma, me sinto atraído, tanto pela atuação de Adriana Esteves, quanto pela historinha de Ícaro (talvez uma versão século XXI de "Alma Gêmea", mas enfim). E o texto dele pareceu bem menos ruim.

Um detalhe: aquela música incidental no núcleo da Júlia é a mesma da fazenda Araruna em "Sinhá Moça", ou é impressão minha?

Rodrigo disse...

O primeiro capítulo foi ótimo, atendeu todas as minhas expectativas. A direção do Rogério Gomes fez a diferença. É o tipo de novela que vai agradar as crianças e as donas de casa que não entendiam nada das referências telenovelísticas babacas de "Ti Ti Ti". O Walcyr Carrasco vai conquistar o público pela sua história e, felizmente, não terá um diretor pentelho como Jorge Fernando, que gosta de aparecer mais do que os autores.

Sobre a Vanessa Giácomo, acho que ela ainda não encontrou o tom de sua personagem, o que deverá ocorrer em breve. A julgar pelo primeiro capítulo, quem tem mais cara de vilã é a Bárbara Paz mesmo.

O Marcos Pasquim está ótimo e já tem cri-crítico babaca da Folha dizendo que ele está caricato demais por falar "mar". O Fagundes no "Rei do Gado" fazia a mesma coisa e ninguém reclamava porque era o Fagundes. Esse preconceito da imprensa pseudoespecializada em TV com certos atores me irrita profundamente.

Eddy Fernandes disse...

Gostei da estréia.

Falar bem da Adriana Esteves é chover no molhado. Paulo Vilhena me surpreendeu. O texto continua frágil, mas a direção compensa. A sequência do terremoto ficou ótima.

Agora, forçação da gota aquele núcleo caipira.

Tela TV disse...

Achei uma novela bem com a cara do autor. Nao acho que a direção tenha influenciado em alguma coisa. Adriana Esteves tá igual a Catarina de O Cravo e a Rosa e Mateus Solano com mais cara de debiloide ainda.

edu vieira disse...

ainda vou saber porque pra falar bem de uma novela tem de se acabar com outra. É incontestável o sucesso que ti ti ti fez com o circo do Jorge Fernando. Estou gostando da novela que tem uma característica boa, parece que já está no ar há mais de um mês, todas as histórias são meio manjadas e dentro várias novelas: Dona Xepa,O Cravo e a Rosa, Senhora,Amor com amor se paga o que são tramas garantidas pra cativar as donas de casa e nós, alguns homens que veem a novela.