Somos amantes da teledramaturgia. Respeitamos a arte e a criação acima de tudo. Nosso profundo respeito a todos os profissionais que criam e fazem da televisão essa ferramenta grandiosa, poderosa, que desperta os mais variados sentimentos. Nossa crítica é nossa colaboração, nossa arma, nosso grito de liberdade.



ENTREVISTAS EXCLUSIVAS

Free DHTML scripts provided by Dynamic Drive

quarta-feira, 23 de maio de 2012











O que vimos de Xuxa

por Guilherme Staush



O depoimento dado pela apresentadora Xuxa Meneghel no último domingo, no Fantástico, no quadro “O que Vi da Vida”, continua repercutindo bastante nas redes sociais da internet.  A eterna “rainha dos baixinhos” surpreendeu os telespectadores ao declarar que sofreu abuso sexual até os 13 anos de idade, entre outros depoimentos menos polêmicos. Os fãs da apresentadora postaram milhares de mensagens prestando solidariedade a sua eterna musa. Por outro lado, aqueles que não cultivam nenhum tipo de afetividade por Xuxa, viram o tal depoimento com outros olhos. Posso dizer que me encaixo nessa segunda categoria de telespectadores. Primeiramente, porque quando Xuxa foi eleita (sabe-se lá por quem) “a rainha dos baixinhos”, eu, de baixinho, não tinha mais nada. Portanto, não cresci vendo os programas televisivos de minha conterrânea,  não compartilhei da moda criada pela apresentadora e tampouco cantarolei “Ilariê” nas festinhas com os amigos. Segundo, porque diferente de muitos, não vejo qualquer atributo na apresentadora que possa justificar seu mega-sucesso que já dura quase 30 anos desde sua estreia na emissora de Adolpho Bloch: não canta bem (para alguém que vendeu milhões de discos),  não faz entrevistas profundas e inteligentes, e está longe de ser uma boa atriz. Mas, uma rainha nunca perde sua majestade, e os fãs estão pouco se importando com os quesitos artísticos da loira, o que importa é o lado carismático, afetivo e até materno que Xuxa conseguiu dissipar entre seus milhões de seguidores. Afinal, quem vê coração não precisa nem escutar a voz.

Entretanto, algo de muito estranho ronda os depoimentos feitos pela apresentadora da Globo no último domingo. Há quem pense que Xuxa estaria aplicando um golpe de mídia, já que seus últimos programas na emissora carioca não conseguiram emplacar. Ou então, que estaria simplesmente querendo fortalecer a campanha contra a pedofilia no país. E, se este for o caso, apenas por isso o depoimento já foi válido. Mas que fique bem claro: a pedofilia é um mal que precisa ser extirpado de nossa sociedade com ou sem o depoimento dela. Afinal, o fato de que Xuxa sofreu abuso sexual na infância não faz com que este problema seja nem mais e nem menos grave. 

Talvez a surpresa que alguns telespectadores tiveram reside não exatamente na declaração em si, mas em quem a fez e nas razões pelas quais as fez.  Xuxa nunca foi um modelo a ser seguido (e acredito que nem ela pretenda isso)  seja por crianças, adolescentes ou mesmo adultos. Sua trilha rumo ao sucesso está repleta de atitudes duvidosas que a própria apresentadora fez questão de esconder ao longo desses anos, como as fotos que fez para revistas masculinas ou sua participação no famigerado filme Amor Estranho Amor, de  Walter Hugo Khouri, onde Xuxa aparece seduzindo um garoto de 12 anos, ou mesmo sua questionável relação com o ídolo Pelé, que a ajudou a ganhar notoriedade. Mesmo depois de virar apresentadora, o comportamento de Xuxa sempre foi bastante questionado. Por diversas vezes sofreu acusações de estar erotizando as crianças brasileiras, que imitavam a apresentadora no modo de vestir, falar, e se comportar.

Além do polêmico depoimento, Xuxa também falou sobre sua única e verdadeira paixão, o ídolo brasileiro Ayrton Senna, e sobre os momentos que passou ao lado de Michael Jackson, um dos maiores ídolos da música no mundo . Coincidentemente os dois estão mortos e jamais poderão questionar qualquer coisa que tenha sido dita pela apresentadora. Quanto a Luciano Szafir, o homem que Xuxa escolheu para ser o pai de sua filha, não houve , sequer, uma única declaração.

Afinal, o que vimos de Xuxa? A bravura de uma mulher que teve a coragem de fazer uma declaração tão pessoal para ajudar a combater a pedofilia no país, um golpe de marketing com o aval da Rede Globo para ajudar a levantar a carreira da apresentadora e, ao mesmo tempo, comover seus fãs? Ou seriam as duas coisas? 



6 comentários:

Olga Motta disse...

Ótimo texto, um dos mais contundentes que já vi no blog!
Confesso que desliguei a TV quando começou a entrevista. Acompanhei só a repercussão. O que me deixou encafifada foi que ela contou aquilo na entrevista e no dia seguinte saíram matérias dizendo que ela tinha dito que "não queria mais falar no assunto". Então por que botou o assunto na roda?
Não sei se estou paranóica, mas acho que isto foi uma estratégia da Globo. Para que eu não sei. Pode ter sido para alavancar a carreira de Xuxa, que já não faz mais o mesmo sucesso de décadas atrás e não sabe fazer outra coisa além de "ser a Xuxa". Ou a coisa pode ter sido mais maquiavélica ainda, tendo a Xuxa servido de marionete na criação de um factóide para mudar o foco da opinião pública, que atualmente é o rolo com o Carlinhos Cachoeira...

Daniel Freitas disse...

Oi Gui! Com muito respeito ao seu texto, faço apenas uma observação. Xuxa nunca se propôs a ser cantora, entrevistadora e muito menos atriz. Tudo isso foi consequência de sua fama. O seu objetivo desde o início foi transmitir alegria, e isso ela sempre fez muito bem. Apresentadora carismática como ela não há e jamais haverá! Um abraço!

Nicéia M. disse...

O simples fato dessa revelação ter sido feita num quadro em um progara como o Fantástico já mostra o quão sensacionalista tudo foi. Se Xuxa quisesse mesmo apenas fazer uma declaação nao preciaria armar todo o circo.

Fernando Oliveira disse...

O que vi da Xuxa? QUE ELA AINDA DÁ MUITA AUDIÊNCIA PRA GLOBO! Mas há opiniões e opiniões. Com relação a opinião colocada a prova neste blog pelo autor do texto, tenho a dizer, com algumas palavras que estão no próprio texto: uma rainha nunca perde sua majestade, e os fãs estão pouco se importando com os quesitos artísticos da loira, o que importa é o lado carismático, afetivo e até materno que Xuxa conseguiu dissipar entre seus milhões de seguidores. Afinal, quem vê coração não precisa nem escutar a voz!

Rafael Barbosa dos Santos disse...

Há não tenho nada contra a Xuxa, acredito que que ela foi sincera em seu depoimento, e a achei corajosa.

http://brincdeescrever.blogspot.com.br/

Telinha VIP disse...

Nao creio que a Xuxa fosse colocar sua cara a tapa, caso estivesse encenando, mas sem dúvida foi uma bela jogada da Rede Globo, e certamente vai impulsionar a carreira da Xuxa, que estava bem caída.